Como é possível identificar alguém pela arcada dentária?

Os nossos dentes são as substâncias mais duras e resistentes do corpo humano, além de serem considerados os “guardiões” do nosso trato digestivo. Curiosamente, essa também é a última parte do nosso corpo que se decompõe após a morte e resistem a condições ambientais extremas.

Esse é um dos motivos pelos quais os dentes são muitas vezes a única parte restante do corpo de uma pessoa falecida em um caso criminal. Mas como é possível identificar alguém através da arcada dentária. Ao longo desse texto, explicaremos como funciona as particularidades da boca de cada indivíduo e como isso favorece a polícia. 

Análise de raio X

(Fonte: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

Para que um sujeito seja identificado por meio de sua arcada dentária, o método de comparação costuma ser feito com chapas de raio X. São coletadas duas chapas diferentes: uma feita pelo dentista do suposto falecido e outra chapa dos dentes do cadáver na mesma posição e ângulo.

Quando sobrepostas no computador, essas imagens são perfeitas para identificarmos as semelhanças no formato dos dentes de um indivíduo e também qualquer tipo de trabalho odontológico que ele tenha passado. Isso significa que mesmo restaurações, canais, coroas e próteses não atrapalham no trabalho de identificação da polícia.

Em todo caso, as informações contidas nas fichas odontológicas são de grande ajuda para esse tipo de trabalho. Assim, irregularidades como dentes tortos, encavalados ou espaçados se tornam mais evidentes e fornecem uma informação precisa a respeito do cadáver. Quando em conjunto, todos esses dados criam um modelo e seguro para que os peritos alcancem uma conclusão.

Outras alternativas

(Fonte: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

Mas o que acontece se a pessoa nunca tiver ido ao dentista e não tiver algum arquivo com chapas de raio X de sua arcada dentária? Nesse caso, resta aos peritos procurarem por fotos em que a pessoa apareça sorrindo ou simplesmente mostrando seus dentes. Quando ampliada, essa imagem pode ser usada para métodos de comparação no formato dos dentes.

Nos casos em que a perícia simplesmente não faz ideia a respeito da identidade da pessoa morta, a melhor informação que a arcada dentária pode oferecer é a idade aproximada daquela pessoa — principalmente até os 16 anos de idade. Durante nossa juventude, nós passamos por várias etapas de desenvolvimento dentário, como a formação das raízes dos dentes e a substituição dos dentes de leite.

Essa análise pode não ser tão confiável em adultos, pois as mudanças passam a ser mais sutis e não escancaram tanto qual seria a idade do indivíduo em questão. Mesmo assim, o desgaste dos dentes tende a ser o fator mais estudado na tentativa de identificação de uma pessoa. 

Ajuda em crimes

(Fonte: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

A arcada dentária não só é usada para identificar um cadáver, como também pode ser um método eficiente para solucionar casos criminais. E como isso é feito? Nos Estados Unidos, os tribunais só passaram a aceitar as marcas de mordida como evidência em 1973. 

Embora essa não seja uma evidência tão confiável quanto uma impressão digital, ela segue sendo bastante única e fornece algumas informações importantes sobre o que aconteceu na cena de um potencial crime. Inclusive, essas marcas podem ser usadas pelos peritos para identificar se os dentes na pele são derivados de uma mordida de um agressor, por uma vítima durante um ataque ou como parte da atividade sexual.

More in Fatos&Fatos.com